Pesquisar neste blog

Páginas rasgadas

sábado, 21 de outubro de 2006


Houve um dia em que deixei de ir a um enterro de alguém a quem nunca mais veria e eu sempre saberei o quanto ela era especial pra mim.
Houve um dia em que resolvi me vingar de um amigo querido por algum erro; em outro um dia gritei minha mãe, gritei meu pai, censurei os meus avós no meu coração, no meu pensamento. Houve um instante em que cogitei minha própria morte, mesmo tendo certeza QUE ESTA NÃO ERA MINHA VONTADE.
Também escondi meus erros por capricho e orgulho, no mesmo instante em que falava sobre coragem e sinceridade.
Achando-me hipócrita, em algum outro dia resolvi ser eu mesmo totalmente e em nenhum instante consegui me ver ou me notar. Talvez, nem eu mesmo soubesse como ser eu mesmo ou o que eu estava me propondo ser.
Já dei muitas desculpas. E em algumas delas muito de invenção e mentira.
Houve um dia em que não atendi ao convite de um casamento, e o próprio noivo veio atrás da minha presença. Contudo nem isto me motivou, e ele certamente se entristeceu. Ficou a mancha de não ter compartilhado com ele um momento tão único e importante.
Recordo ainda que não aproveitei quando pude abraçar algumas pessoas quando vieram se alegrar comigo, vieram me cumprimentar ou parabenizar por uma vitória.
Sei que também fui egoísta quando não correspondi alguns sorrisos. Minha cara ficou um tijolo seco e sombrio. Houve um dia em que o sol brilhou e eu não dei a ele o valor de uma vela. Preferi a escuridão. Dias em que me senti mísero... E não foi há muito tempo, foi há pouco, mesmo quando decidi que não rasgaria mais página alguma da minha vida.
E passei as mãos sobre o rosto, não olhei pra cima, não procurei reagir, quando o único impedimento era minha própria vontade. Existiu sempre a possibilidade de escolher. A escolha não vem dela mesmo, vem de dentro de cada um.
Houve um dia em que lamentei não ter corrido ao lado dos meus amigos que me chamaram pra correr um caminho, percorrer uma trilha.
Dias em que a música retumbava altissonantemente e eu não quis dançar.
Dias em que a paixão olhou pra mim, me cercou e eu não me deixei aquecer.
Há tantas páginas rasgadas. Momentos que poderiam ter sido inesquecíveis, momentos que continuam desconhecidos, por medo, timidez, costume até. Rasgadas as páginas, foi rasgado também meu livro. O livro da minha existência.
Eu poderia ter ficado calado e ter permanecido ao lado de vários amigos até o dia de hoje. Eu poderia ter compreendido o cansaço e a debilidade dos meus avós. Compreendido o zelo do meu pai, a expectativa, a esperança da minha mãe. Eu poderia ter acreditado em Deus, no milagre, no amor.
Eu poderia ter visto tantas vezes o nascer e o pôr do sol e ser queimado pelo seu calor. Eu poderia ter dado a mim tantas chances de escrever nas páginas do livro, de colocar imagens novas, de colocar meus sentimentos, experimentar-me, experimentar o viver, o sim, o não, a glória, o fracasso, o desconhecido, o temido, o conhecido.
Assim, tendo as páginas rasgadas, nem posso dizer que me conheço. Nem posso dizer que existo. E são essas páginas que me cobram o empenho dos meus dedos e do meu coração em escrevê-las, porque são a seiva que alimentariam minhas raízes. Por isto sinto que estou definhando.

Eu tenho que ir atrás destas páginas, ir atrás das letras que apaguei, das palavras que de propósito esqueci e omiti. Ir atrás das personagens que minha brutalidade afligiu. Ir atrás das lições que estão pra ser aprendidas. Cuidar melhor do meu livro, de cada página, reconhecendo o que as mancha e corrompe.

Na capa, meu rosto. Páginas escritas, páginas vividas! Páginas que enfrentei, cultivei, pensei, chorei, lamentei, alegraram e trouxeram surpresas.


Conselho final: não rasgue as páginas de sua vida, não deixe de viver o que a vida pode lhe proporcionar e se já não tem lhe exigido. Tenha coragem e se conheça de verdade. Conheça o que é viver, o que é atravessar os montes, suportar os desertos, o que é crer e ter esperança.


Torn pages

There was one day in that I stopped going the a funeral of somebody to who would never again see and I will always know her as she was special now me.
There was one day in that I decided to take revenge of a dear friend for some mistake; in other one day I screamed my mother and my father, I censured my grandparents in my heart, in my thought. There was an instant in that I cogitated my own death, same tends certainty THAT THIS NOT was MY WILL.
I also hid my mistakes for care and pride, in the same instant in that I talked about courage and honesty.
Being hypocrite, in some other day I decided to be me same totally and in any instant I got myself to see or to notice me. Maybe, nor I knew how to be me same or the one that I was intending to be.
I already gave many excuses. And in some of them a lot of invention and lie.
There was one day in that I didn't assist to the invitation of a marriage, and the own fiancé vein behind my presence. However nor this motivated me, and he certainly became sad. It was the stain of not having shared with him such an only and important moment.
I remember although I didn't take advantage when I could hug some people when they came to cheer with me, they came to greet me or to congratulate for a victory.
I know that also went selfish when I didn't correspond some smiles. My face was a dry and shady brick. There was one day in that the sun shone and I didn't give to him the value of a candle. I preferred the darkness. Days in that I felt miserable... And it was not there is a long time, it went there is little, same when I decided that would not tear any of my life more page.
And I passed the hands on the face, I didn't look for top, I didn't try to react, when the only impediment was my own will. It always existed the possibility to choose. The choice doesn't come from her same, it comes from within from each one.
There was one day in that I lamented not to have run beside my friends that called me for running a road, to travel a trail.
Days in that the music resounded high-soundingly and I didn't want to dance.
Days in that the passion looked for me, it surrounded me and I didn't let to become warm.
There are so many torn pages. Moments that could have been unforgettable, moments that continue ignored, for fear, shyness, habit until. Torn the pages, it was also torn my book. The book of my existence.
I could have been quiet and to have stayed beside several friends until the day today. I could have understood the fatigue and my grandparents' weakness. Understood my father's devotion, the expectation, my mother's hope. I could have believed in God, in the miracle, in the love.
I could have seen so many times the to be born and putting of the sun and burned being for his heat. I could have given to me so many chances of writing in the pages of the book, of putting new images, my feelings, to try me, to try living, the yes, the no, the glory, the failure, the stranger, the fearsome, the acquaintance.

Like this, tends the torn pages, nor I can say that know myself. Nor I can say that exist. And they are those pages that collect me the pledge of my fingers and of my heart in writing them, because they are the sap that you/they would feed my roots. For this I feel that am weakening
I have to go behind these pages, to go behind the letters that I turned off, of the words that on purpose forgot and I omitted. To go behind the characters that my brutality afflicted. To go behind the lessons that are for being learned. To take care better of my book, of each page, recognizing what stains them and it corrupts.

In the layer, my face. Written pages, lived pages! Pages that I faced, cultivated, I thought, I cried, I lamented, they cheered and they brought surprises.


Final Council: don't tear the pages of your life, don't stop living what the life can provide to you and if no longer it has been demanding you. Have courage and be known of truth. Know what is to live, the one that is cross the hills, to support the deserts, the one that is believe and to have hope.

Belíssimo! Eu sou belíssimo

domingo, 8 de outubro de 2006

Como fugir do próprio corpo? Fechei os olhos e quando acordei meu corpo era o mesmo: nenhuma asa de anjo, nenhuma asa de imaginação que me fizesse levitar ou levantar vôo. Abri os olhos e continuo vendo as mesmas coisas. A cor dos meus olhos permanece a mesma. E agora vejo que a minha pele começa a enrugar, minha voz está mudando. Ainda que use lentes de contato, as pessoas verão uma nova cor de olho, mas minha visão será a mesma. Então, tenho que mudar o modo como vou dormir, o modo como vou me acordar, o modo como vou viver ou pretendo, necessito, sonho, desejo VIVER. Quanto a morrer, ainda nem sei como começar a decidir. É difícil crer que ela (a morte) virá a mim, mas não sou exceção. Bem, desejo que alguém se lembre de mim como uma boa pessoa, apesar das minhas falhas. Espero que alguém tenha boas lembranças, apesar que por vezes sou brusco, deprimido, chato. Mesmo assim, não meço esforços para dar o melhor de mim pra ajudar a quem necessita. Sei que quase sempre não posso fazer muito.
Ainda que faça plásticas, isto não retardará o processo. E, certamente, de algum modo inesperado, em um momento desconhecido, poderei dar adeus a mim e ao mundo e às pessoas a quem amo.
Mas, enquanto o fim não vem, enquanto este começo eu desconheço, posso chamar de JÁ e desde JÁ:
CANTAR..CANTAR...CANTAR...
ABRAÇAR...ABRAÇAR...ABRAÇAR...
RESPIRAR...RESPIRAR...RESPIRAR...
COMER O SOL....
LAMBER A LUA...
AMAR...AMAR...AMAR..
SENTIR O CORAÇÃO BATER...
FALAR COM VOCÊ!
COMIGO MESMO!
DANÇAR, COMER, ME ACHAR LINDO::

Sabe, tem dias que de manhã, assim que acordo, eu digo be-in, be-in bem altão, uma versão de uma música que nunca encontrei em lugar nenhum, a não ser num programa de humor, cantada (pela caridade, é verdade) por uma drag queen, que era o cão de tão FEIA:
"Belíssimo!! Eu sou belíssimo!"
Certo, é um besteira. Mas, minha família adora. Minha vó por vezes pergunta: "Cadê belíssimo?"
BELÍSSIMO. O VIVER É BELÍSSIMO. AFINAL, O QUE SERIA DO JUIZ SEM O BANDIDO? O QUE SERIA DA CORREÇÃO SEM O ERRO?

VOCÊ É BELÍSSIMO!!!
 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe