Pesquisar neste blog

MEU PRÓPRIO SEQÜESTRO

domingo, 29 de julho de 2007

Edward Hopper - Night Shadows

M
EU PRÓPRIO SEQÜESTRO

Esta noite não vai terminar do mesmo jeito
O tempo não vai existir
Pois vou te sequestrar
Vou entrar como redemoinho e derrubar toda as paisagens ao teu redor
Vou surgir como leão à espreita d o desejado alimento
Vou reduzir os céus e o inferno a fogo
Ninguém vai entender, eu sei
Vão criticar, atirar-me pedras
Só que esse história apenas eu bem conheço
Este dia...mal consigo crer e imaginar
Não vou me lamentar mais, vou ir adiante e batalhar selvagemente
Deste dia não vai passar
Sim! Eu mesmo, eu mesmo, eu mesmo!
Vou te pegar pelas mãos e te arrancar deste chão sufocante
Em que enfincado estão teus pés como raízes que rasgam profundamente o solo
Eu vou te fazer ver as asas que recusas ver
E já posso te ver voando, cultivando e descobrindo o teu próprio amor pela vida
Vou trovejar no teu céu e lançar raios assustadores
Vou trazer escorpiões, serpentes, dragões
E, então, já posso te ver aprendendo a lutar, perder e vencer
EU VOU ME REFAZER

O CONSOLO DA NATUREZA

domingo, 8 de julho de 2007

Spring Thing (Dan Young)

A natureza me consola
O sol me consola
O ar, o verde das folhagens, o azul do céu
Os pássaros, o horizonte,
Tudo o que não pensa nem julga
Porque a árvore faz sombra pra qualquer um
Independente de quem alguém é, do que alguém tenha feito
E ela frutifica pra qualquer ser, seja gente, bicho, bom ou mau
O ar existe pra todos os que precisam dele
O ar existe pro cachorro do mesmo jeito que existe pro gato, pro rato
Seja quem for
O mar me consola, porque não me cobra taxas
Não me faz exigências injustas
Ficamos em comunhão, fotossintetizamos alegria
Posso sentir seu calor ao mergulhar
E me embevecer com sua limpidez, seus seres estranhos
Posso ouvir o marujar das suas ondas
E eu sei que preciso amá-los de verdade
O chão onde piso me consola na árdua caminhada
Ele está onde está pra ser pisado
E isto pra ele é honra, não é humilhação
O cantar das cigarras, dos sapos, eles cantam sem parar
E seu cântico me consola os ouvidos
Eles cantam por cantar, não importa o que aconteça
Quando amanhecer eu vou atrás deles, pois sempre sei onde estão
Vou abraças as árvores, as galinhas, os cachorros
Vou dançar no chão, rodopiar sob o sol
Vou cantar com as ondas,
Comer ar, ar e mais ar
Eu sei que eles vão me consolar
Sem precisar pensar, sem precisar medir, sem precisar julgar
Jackson Angelo
 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe