Pesquisar neste blog

02 ótimas imagens para compor scraps (PNG)

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Download: clique nas imagens.
O down é veloz e a qualidade das imagens é realmente excepcional! Formato png.


2099x1882; 4,54mb

http://i024.radikal.ru/0801/bb/4554a3c5769d.png


2019x1380; 3mb

http://i003.radikal.ru/0801/d0/06c8faaea959.png

Imagens de tiaras com pedras preciosas (PNG)

Para as ladies!

user posted image user posted image
user posted image user posted image
user posted image

02 molduras com flores rosas

Download: clique nas imagens!!!
Dimensão em pixel: 3508 x 2398, tamanho: 6963 Kb, formato png.

Dimensão em pixel: 3508 x 2398, tamanho: 6127 mb, formato png.

03 super imagens de conchas (PNG)

Garanto que estas imagens são perfeitas e com ótima resolução. Dimensão em pixels de 2016x1380 em média.
Download: clique nas imagens.

user posted image
user posted image
user posted image

Moldura: Nosso Diário (png)

Moldura muito boa, parece querer contar uma história.
Resolução: 2100x1500.

Scrapframe 2 (montado, png)

Dimensões em pixel: 3508 x 2398. Tamanho do arquivo: 7561 Kb, formato png.
Download: clique na imagem e baixe. Depois, com o lado direito do mouse clique sobre a imagem que aparecer e escolha "salvar imagem como".

Desafio 10: encontrar 4 tubarões

Para uma resolução maior, clique na imagem.


Desafio 10: encontrar 4 tubarões

Albert Einstein "Como vejo o mundo"

Esse capítulo inicia o livro "Como vejo o mundo" de Einstein, lançado no Brasil pela Editora Nova Fronteira.

"Minha condição humana me fascina. Conheço o limite de minha existência e ignoro por que estou nesta terra, mas às vezes o pressinto. Pela experiência cotidiana, concreta e intuitiva, eu me descubro vivo para alguns homens, porque o sorriso e a felicidade deles me condicionam inteiramente, mas ainda para outros que, por acaso, descobri terem emoções semelhantes às minhas.
E cada dia, milhares de vezes, sinto minha vida — corpo e alma — integralmente tributária do trabalho dos vivos e dos mortos. Gostaria de dar tanto quanto recebo e não paro de receber. Mas depois experimento o sentimento satisfeito de minha solidão e quase demonstro má consciência ao exigir ainda alguma coisa de outrem. Vejo os homens se diferenciarem pelas classes sociais e sei que nada as justifica a não ser pela violência. Sonho ser acessível e desejável para todos uma vida simples e natural, de corpo e de espírito.
Recuso-me a crer na liberdade e neste conceito filosófico. Eu não sou livre, e sim às vezes constrangido por pressões estranhas a mim, outras vezes por convicções íntimas. Ainda jovem, fiquei impressionado pela máxima de Schopenhauer: “O homem pode, é certo, fazer o que quer, mas não pode querer o que quer”; e hoje, diante do espetáculo aterrador das injustiças humanas, esta moral me tranquiliza e me educa. Aprendo a tolerar aquilo que me faz sofrer. Suporto então melhor meu sentimento de responsabilidade. Ele já não me esmaga e deixo de me levar, a mim ou aos outros, a sério demais. Vejo então o mundo com bom humor. Não posso me preocupar com o sentido ou a finalidade de minha existência, nem da dos outros, porque, do ponto de vista estritamente objetivo, é absurdo. E no entanto, como homem, alguns ideais dirigem minhas ações e orientam meus juízos. Porque jamais considerei o prazer e a felicidade como um fim em si e deixo este tipo de satisfação aos indivíduos reduzidos a instintos de grupo.
Em compensação, foram ideais que suscitaram meus esforços e me permitiram viver. Chamam-se o bem, a beleza, a verdade. Se não me identifico com outras sensibilidades semelhantes à minha e se não me obstino incansavelmente em perseguir este ideal eternamente inacessível na arte e na ciência, a vida perde todo o sentido para mim. Ora, a humanidade se apaixona por finalidades irrisórias que têm por nome a riqueza, a glória, o luxo. Desde moço já as desprezava.
Tenho forte amor pela justiça, pelo compromisso social. Mas com muita dificuldade me integro com os homens e em suas comunidades. Não lhes sinto a falta porque sou profundamente um solitário. Sinto-me realmente ligado ao Estado, à pátria, a meus amigos, a minha família no sentido completo do termo. Mas meu coração experimenta, diante desses laços, curioso sentimento de estranheza, de afastamento e a idade vem acentuando ainda mais essa distância. Conheço com lucidez e sem prevenção as fronteiras da comunicação e da harmonia entre mim e os outros homens. Com isso perdi algo da ingenuidade ou da inocência, mas ganhei minha independência. Já não mais firmo uma opinião, um hábito ou um julgamento sobre outra pessoa. Testei o homem. É inconsistente.
A virtude republicana corresponde a meu ideal político. Cada vida encarna a dignidade da pessoa humana, e nenhum destino poderá justificar uma exaltação qualquer de quem quer que seja. Ora, o acaso brinca comigo. Porque os homens me testemunham uma incrível e excessiva admiração e veneração. Não quero e não mereço nada. Imagino qual seja a causa profunda, mas quimérica, de seu sentimento. Querem compreender as poucas idéias que descobri. Mas a elas consagrei minha vida, uma vida inteira de esforço ininterrupto.
Fazer, criar, inventar exigem uma unidade de concepção, de direção e de responsabilidade. Reconheço esta evidência. Os cidadãos executantes, porém, não deverão nunca ser obrigados e poderão escolher sempre seu chefe.
Ora, bem depressa e inexoravelmente, um sistema autocrático de domínio se instala e o ideal republicano degenera. A violência fascina os seres moralmente mais fracos. Um tirano vence por seu gênio, mas seu sucessor será sempre um rematado canalha. Por esta razão, luto sem tréguas e apaixonadamente contra os sistemas dessa natureza, contra a Itália fascista de hoje e contra a Rússia soviética de hoje. A atual democracia na Europa naufraga e culpamos por esse naufrágio o desaparecimento da ideologia republicana. Aí vejo duas causas terrivelmente graves. Os chefes de governo não encarnam a estabilidade e o modo da votação se revela impessoal. Ora, creio que os Estados Unidos da América encontraram a solução desse problema. Escolhem um presidente responsável eleito por quatro anos. Governa efetivamente e afirma de verdade seu compromisso. Em compensação, o sistema político europeu se preocupa mais com o cidadão, com o enfermo e o indigente. Nos mecanismos universais, o mecanismo Estado não se impõe como o mais indispensável. Mas é a pessoa humana, livre, criadora e sensível que modela o belo e exalta o sublime, ao passo que as massas continuam arrastadas por uma dança infernal de imbecilidade e de embrutecimento.
A pior das instituições gregárias se intitula exército. Eu o odeio. Se um homem puder sentir qualquer prazer em desfilar aos sons de música, eu desprezo este homem... Não merece um cérebro humano, já que a medula espinhal o satisfaz. Deveríamos fazer desaparecer o mais depressa possível este câncer da civilização. Detesto com todas as forças o heroísmo obrigatório, a violência gratuita e o nacionalismo débil. A guerra é a coisa mais desprezível que existe. Preferiria deixar-me assassinar a participar desta ignomínia.
No entanto, creio profundamente na humanidade. Sei que este câncer de há muito deveria ter sido extirpado. Mas o bom senso dos homens é sistematicamente corrompido. E os culpados são: escola, imprensa, mundo dos negócios, mundo político.
O mistério da vida me causa a mais forte emoção. É o sentimento que suscita a beleza e a verdade, cria a arte e a ciência. Se alguém não conhece esta sensação ou não pode mais experimentar espanto ou surpresa, já é um morto-vivo e seus olhos se cegaram. Aureolada de temor, é a realidade secreta do mistério que constitui também a religião. Homens reconhecem então algo de impenetrável a suas inteligências, conhecem porém as manifestações desta ordem suprema e da Beleza inalterável. Homens se confessam limitados e seu espírito não pode apreender esta perfeição. E este conhecimento e esta confissão tomam o nome de religião. Deste modo, mas somente deste modo, soa profundamente religioso, bem como esses homens. Não posso imaginar um Deus a recompensar e a castigar o objeto de sua criação. Não posso fazer idéia de um ser que sobreviva à morte do corpo. Se semelhantes idéias germinam em um espírito, para mim é ele um fraco, medroso e estupidamente egoísta.
Não me canso de contemplar o mistério da eternidade da vida. Tenho uma intuição da extraordinária construção do ser. Mesmo que o esforço para compreendê-lo fique sempre desproporcionado, vejo a Razão se manifestar na vida.

Enterros ecologicamente corretos

A febre verde. A mentalidade comercial, nos dias atuais, é a do "ecologicamente correto": casas ecologicamente corretas, pessoas ecologicamente corretas, bares, restaurantes, lojas, shoppings, crianças, igrejas, costumes, livros, tudo ecologicamente correto. Já que tão pouco nos resta do que já foi ecologicamente correto, naturalmente correto.
A última febre americana: enterros ecologicamente corretos. É o que diz a reportagem da EFE:
"[...] Os enterros naturais - aqueles que procuram eliminar a utilização de caixões e de produtos químicos nas técnicas de embalsamamento - estão ganhando popularidade nos EUA graças ao auge da "febre" verde. "A demanda está aumentando à medida que as pessoas se informam mais sobre a questão", disse à Agência Efe Joe Sehee, presidente da organização "Green Burial Council", dedicada à promoção dos enterros ecológicos. Sehee afirma que os cidadãos americanos estão percebendo que podem conseguir o tipo de enterro que eles querem, sem gerar poluição. Uma recente pesquisa da Associação de Aposentados dos EUA (AARP), um grupo com mais de 35 milhões de membros, indica que 21% das pessoas com mais de 50 anos prefere um tipo de enterro ecologicamente correto. Segundo dados do "Green Burial Council", nos enterros tradicionais dos EUA são usados a cada ano 82 mil toneladas de aço, cerca 2.500 toneladas de bronze e cobre e 1,4 milhão de toneladas de cimento - usado para manter o formato dos túmulos.
Mais em: Yahoo.
 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe