Pesquisar neste blog

Alguém me fez conhecer o amor

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Alguém já lhe fez conhecer o amor? Eu já conheci. É confortante saber que alguém me ama. Quando alguém conhece minhas limitações, todas elas, minhas falhas todas elas, meus deslizes, todos eles. Mesmo assim não muda e ainda continua sendo mais do que amigo, porque tudo o que está ao seu alcance para me fazer chegar com segurança, sair e voltar com segurança, ele fez e continua fazendo.

Ele mesmo sendo tão grandioso é capaz de caminhar comigo lado a lado, quando muitos me apedrejariam, quando muitos desprezariam e falariam mal. Não importa onde, não importa meu estado de saúde, minha imagem na sociedade, meu dinheiro ou falta dele. Seu ouvido está sempre pronto a ouvir, todo instante, até meus pensamentos! Quando busquei respostas encontrei. Quando busquei compreender ele me fez entender, abriu minha cabeça, meus olhos. Quantas vezes em uma escuridão assustadora sua palavra tirou meus temores!
Se chorei, ele me consolou. Falou coisas que entraram verdadeiramente no coração. Até seu silêncio me ensinou que o silêncio tem um sentido.

No mundo é possível conhecer pessoas más, perseguidoras e injustas. Quem não conhece ou não já conheceu? Quem não já foi vítima de um descaso, de uma humilhação, de mentiras, roubo, inveja, traição, de más intenções e péssimas interpretações? Mesmo os que dizem nos amar podem ter errado, porque assim como eu, suas visões e ideias não consegue traduzir bem a verdade.

Mesmo os que nos amam ainda parecem precisar de constante lapidação do carácter, por mais que queiram acertar ainda assim erram; nos momentos de raiva as palavras podem perder toda coerência e até o respeito. Há sempre um pouco de egoísmo, vez por outra aparecem resquícios de temperos azedos da alma.

Por isso, prefiro falar do seu amor, que é verdadeiro. Nos momentos mais difíceis ele me conduziu, animou, me deu esperança. Quando lhe fiz mais raiva ele me entendeu de modo que me enterneci. Eu reclamei muitas vezes do que não pude conseguir, do que achei que ele deveria ter evitado em minha vida. Reclamei porque achei que estava fazendo muito por ele, e ameacei até quebrar minha amizade. Tive que cobrar menos de mim mesmo, porque nem ele me cobrava tanto. Quando deixei de viver apenas para cobrar, passei a esperar e acreditar mais.

Alguém que é capaz de dar como sacrifício por você o que ele tem de mais valioso para provar que te ama. Parece pouco né?! Porque se fosse para dar carros, mansões, tornar todos bilionários, todos se sentiriam mais do que amados, por causa dessa mentalidade materialista.

Sua alma fica junto da minha, seu pensamento junto do meu. Alguém preparado para me amar de modo especial. Ele poderia não ter dado nada, não ter feito nada, mas me senti amado. Senti que o que sinto e vivo é importante pra ele.

Há um costume de achar que provas de amor são objetos materiais que as pessoas nos dão. Muitas vezes pensei assim, esperei por isso. Como é fácil esquecer de alguém que esteve sempre junto quando estivemos tão fracos, nos ajudando a caminhar. Lembra-se só até pouco tempo após o período difícil passar.

Mas ele tem ajudado minha memória, tem me guardado. De modo tal é seu amor que eu hoje entendo melhor o que é amar e ser amado.

Meu Deus, obrigado pela sua amizade sincera!







Um comentário

  1. Amigo querido...
    eu já tinha lido seu texto no dia que postou... mas agora quando o li novamente me tocou profundamente, pois às vezes me sinto tão sozinha e me esqueço deste amor tão maravilhoso do nosso amigo maior...
    muito obrigada, vou tomar a liberdade de copiá-lo no meu blog, ok?
    um grande beijo e fique na paz do Senhor.

    ResponderExcluir

Para seu comentário ser publicado:
1 - Não faça comentários ofensivos, abusivos, com palavrões, que desrespeitem as leis dos país.
2- Os comentários devem ter relação com a postagem.

 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe