Pesquisar neste blog

Carregando...

Não uma lady ou princesa, mas totalmente uma mulher

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Ser princesa, estar bem-vestida, corresponder expectativas, ser mulher exemplar. Ser uma lady todo instante, todo tempo, em toda ocasião. Fora desse padrão, o que se espera dela, não é mais uma mulher?
A labuta da vida real pode impor uma certa condição física e mental que stressa, principalmente as mulheres. Digo isso, pensando na minha mãe, que sempre lutou, lutou, trabalhou, trabalhou dentro e fora de casa e ainda teve que cuidar do meu pai até o dia de seu chamado à eternidade. Tantas não tem tempo nem recursos de ser a lady ideal, a princesinha, mas mantêm em pé e bom estado sua casa, suas vidas, de seus filhos e parentes. O cansaço pode ser tanto, que algumas vezes ao se olhar no espelho, digam: "Hoje, to me sentindo um bagulho!". O pior é quando a pobreza espiritual e insensibilidade dos seus parceiros fazem com que eles não vejam a beleza que há naquela mulher e apenas enxergam seu cansaço, sequer lhe dão um descanso, uma mãozinha dentro de casa. E olham como se afirmassem: "Você está um bagulho!".
Sinceramente, na minha mãe não vi uma princesa com tantos charmes, penteados, vestidos luminosos, mas certamente uma mulher com tarefas, preocupações de verdade, vida de verdade, gordura de verdade, enfim, uma mulher de verdade. Por isso, fiz essa postagem, quis falar sobre isso, baseado também no que vi na vida da minha mãe.
Todo mundo tem direito a brincar, a se despojar de padrões, a não ser julgado de acordo com tantas convenções que fazem do corpo uma camisa-de-força, da alma um sepulcro da alegria,. Precisamos aceitar naturalmente o direito de ser humano, de falhar como qualquer pessoa.
Essa música de Lisa é muito profunda. Se puder recomendo ler a letra traduzida. Não é evangélica, mas fala mais do que muitos barulhos que têm por aí, elevados à categoria de louvor e adoração, mas sem conteúdo nenhum, com melodias pobres, arranjos que mutilam a arte musical e, ainda pior, ao invés de transmitir paz, só transmitem perturbação.




All Woman (Lisa Stansfield)


He's home again from another day
She smiles at him as he walks through the door
She wonders if it will be okay
It's hard for her when he doesn't respond
He says babe you look a mess
You look dowdy in that dress
It's just not like it used to be
Then she says...
I may not be a lady
But I'm All Woman
From Monday to Sunday I work harder than you know

I'm no classy lady
But I'm All Woman
And this woman needs a little love to make her strong
You're not the only one

She stands there and lets the tears flow
Tears that she's been holding back so long
She wonders where did all the loving go
The love they used to share when they were strong
She says yes I look a mess
But I don't love you any less
I thought you always thought enough of me
To always be impressed

I may not be a lady
But I'm All Woman
From Monday to Sunday I work my fingers to the bone
I'm no classy lady
But I'm All Woman
This woman needs a little love to make her strong
You're not the only one

He holds her and hangs his head in shame
He doesn't see her like he used to do
He's too wrapped up in working for his pay
He hasn't seen the pain he's put her through
Attention that he paid
Just vanished in the haze
He remembers how it used to be
When he used to say

You'll always be a lady
Cause You're All Woman
From Monday to Sunday I love you much more than you know
You're a classy lady
Cause You're All Woman
This woman needs a loving man to keep her warm
You're the only one

You're a classy lady
Cause You're All Woman
So sweet the love that used to be
So sweet the love that used to be
We can be sweet again

Tradução (fonte: http://letras.terra.com.br/lisa-stansfield/111110/traducao.html)

Ele está em casa de novo, de mais um dia
Ela sorri para ele quando ele passa pela porta
Ela se pergunta se tudo ficará bem
É duro para ela quando ele não responde
Ele diz "meu bem, você está um bagulho"
Você está desmazelada nesse vestido
Não é como costuma ser
Então ela diz...

Eu posso não ser uma dama
Mas eu sou toda mulher
De segunda a domingo, eu dou mais duro do que você sabe
Eu não sou nenhuma classuda
Mas eu sou toda mulher
E esta mulher precisa de um pouco de amor para fazê-la forte
Você não é o único

Ela fica parada ali e deixa as lágrimas fluírem
As lágrimas que ela esteve segurando por tanto tempo
Ela se pergunta para onde foi todo o amor?
O amor que eles costumavam partilhar quando eram fortes
Ela diz, "sim, eu estou um bagulho,
Mas não te amo nem um pouco menos
Eu achei que você sempre pensava o bastante de mim
Para sempre ficar impressionado"

Eu posso não ser uma dama
Mas eu sou toda mulher
De segunda a domingo eu esfolo os dedos de trabalhar
Não sou nenhuma classuda
Mas sou toda mulher
Esta mulher precisa de um pouco de amor para fortalecê-la
Você não é o único

Ele a abraça e baixa a cabeça de vergonha
Ele não a vê como costumava ver
Ele está envolvido demais com o trabalho para prestar atenção
Ele não tem visto a dor que tem infligido a ela
A atenção que ele dava
Simplesmente desapareceu na neblina
Ele lembra como costumava ser
Quando ele costumava dizer:

"Você sempre será uma dama
Porque você é toda mulher
De segunda a domingo, eu te amo mais do que você sabe
Você é uma dama de classe
Porque você é toda mulher
Essa mulher precisa de um homem amoroso para mantê-la aquecida
Você é a única
Você é uma dama de classe
Porque você é toda mulher"
Tão doce o amor que costumava existir
Tão doce o amor que costumava existir
Nós podemos ser doces de novo

Um comentário

  1. olá, Jackson
    esse post é uma verdadeira homenagem à todas as mulheres, mães, esposas, executivas, filhas....
    obrigada e parabéns,

    ResponderExcluir

Para seu comentário ser publicado:
1 - Não faça comentários ofensivos, abusivos, com palavrões, que desrespeitem as leis dos país.
2- Os comentários devem ter relação com a postagem.

 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe