Pesquisar neste blog

Tele-eu (poesia; apenas besteiras)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Tela quadrada
Mundo redondo
Andar oblongo
Vida triangular
Meias azuis
Coração verde
Luar incolor
Flores monocromáticas
Matizes
Nuances
Tom sobre tom
Em guerra
Telas voando
Telas passando
Espelhos
Imagens do vil desespero
Imagens da luxúria e de gulodices doidivanas
Imbecilidades
Amabilidades
Telas

Pincéis sem cabeça
De onde saem então as formas?
Por que se juntam esses brilhos?
E se provocam essas escuridões?
Telas
Sem curso
Sem diálogo
Sem metria
Vou abrir meus olhos
E me ver com espanto
Neste espelho quebrado
Que a tudo entorta
Que tudo deforma
Uniformemente
Na ideologia

Nada dizer para agradar
Nada a dizer
Nada a comunicar
Sou poeira
Sou tempo determinado
Sujeito indeterminado
Numa oração ainda sem texto
Grito contido
Gemidos e horrores
Num sorriso compactuado
Escondendo o medo
De saber que nunca serei feliz
Por não ser o melhor em tudo
Nem o pior dos seres
Nem o último da história
Nem o princípio de qualquer coisa


Sobre a tela

Tela-vertigem
Tele-tela
Tele-eu
Tele-cegueira

Poesia de amor

"Perca a hora"

Só por hoje
Só pra agora
Só um pedido
Não vá embora

Só um segundo
Vire meu mundo
Pro avesso
Só um mundo
Pra cada segundo
Um recomeço

Só uma explosão
Sem terror
Só uma expressão
De amor

Uma rosa no olhar
Um buquê no coração
Um beijo no piscar
Dos olhos um trovão

Só pra agora
Só pra sempre
Esqueça a hora
(Jackson Angelo)
 

Estatísticas

Blogger WidgetsBlog statistics Widget For Blogger

Link-Me

Receber atualizações por e-mail

Enter your email address:

Provido por FeedBurner

Seguidores do blog

Mais lidos

Compartilhe